Valorização do dólar traz otimismo para setores da Indústria

A escalada da moeda norte-americana, que valorizou 19,2% entre janeiro e ontem, já reflete positivamente no comportamento das indústrias eletro-eletrônica e biotecnológica. Devido à alta do dólar, empresas dos setores já preveem aumentos em exportação. Há, ainda, quem planeje iniciar os embarques. América do Sul e América Central estão entre os destinos mais visados.

Na Labtest, maior indústria brasileira do segmento de diagnóstico in vitro, com sede em Lagoa Santa, a meta é aumentar os embarques em 30% no ano que vem. Atualmente, as exportações respondem por 4% do faturamento da empresa. De acordo com a analista de Vendas Internacionais da Labtest, Ana Luiza Rodrigues, os embarques são realizados para a América do Sul, América Central, Europa, Ásia e África. “Vamos intensificar as exportações, principalmente para países asiáticos e africanos”, afirma.

A evolução positiva do dólar já faz com que o diretor Comercial da Celer, o alemão Andreas Flugs, preveja investir no mercado internacional em 2014. A empresa, localizada em Belo Horizonte, fabrica  equipamentos para análises químicas . “Em 2013 vamos reforçar as vendas no Brasil. Porém, já iniciamos contatos com possíveis clientes na América do Sul. O cenário é favorável aos embarques”, diz Flugs.

Na Clamper, indústria de dispositivos de proteção contra descargas elétricas, instalada em Lagoa Santa, a alta do dólar levou a direção a projetar exportações maiores no ano que vem. Os embarques, que representavam 12% do faturamento no passado, recuaram para 3% com o real forte. Agora, a expectativa é de que o volume exportado salte para 15% em 2013, conforme afirma o presidente da empresa, Ailton Ricaldoni.

Prospecção

Alta também é estimada pela Leucotron. Sediada em Santa Rita do Sapucaí, no Vale da Eletrônica, a empresa prevê elevar de 1% para 5% o volume de produtos exportados em 2013. A empresa produz aparelhos de PABX e embarca para Colômbia e Paraguai. “Estamos prospectando mercados no México, Peru e Equador”, diz o diretor de Negócios da empresa, Antônio Cláudio de Oliveira.

Conforme o presidente do Sindicato das Indústrias de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares do Vale da Eletrônica (Sindvel), Roberto de Souza Pinto, os embarques da região aumentaram 20% entre 2011 e 2012. A valorização do dólar vai intensificar ainda mais a exportação em 2013. Um índice, no entanto, ainda não foi estimado pela entidade.

Apesar do otimismo da indústria, o presidente do Sindvel comenta que alguns componentes utilizados na fabricação de produtos eletrônicos são importados, fazendo com que parte do produto saia mais caro. Ao colocar os prós e contras na balança, no entanto, a alta do dólar é vantajosa “Conseguimos vender melhor no exterior e somos mais competitivos no mercado interno. Fica mais fácil brigar com os concorrentes internacionais no Brasil”, explica.

Fonte: Hoje em Dia