SINDVEL busca recursos para amenizar os danos sofridos pelas empresas afetadas pela tempestade de granizo

O presidente do SINDVEL, Roberto de Souza Pinto, após retornar de uma viagem na China na noite do dia 24 de outubro, encontrou aqui o que menos esperava. Uma cidade dolorida, machucada pelos estragos feitos por uma tempestade nunca antes vista no município de Santa Rita do Sapucaí – MG. Famílias e empresários contabilizando os prejuízos daquilo que haviam construído há anos.

Na busca por informações detalhadas da tempestade de granizo ocorrida na cidade, o presidente do SINDVEL participou, no dia 25 de outubro (sexta-feira), de uma reunião emergencial convocada pelo prefeito do município, Wander Wilson Chaves, que levou a público o levantamento dos danos causados pela tempestade de granizo aos moradores e empresários da cidade. A reunião contou com a presença de autoridades e lideranças de Santa Rita do Sapucaí.

Diante dos fatos apresentados, o presidente Roberto tomou imediatamente a iniciativa de ir à Belo Horizonte. Seu objetivo era buscar forças e recursos para ajudar na recuperação imediata das indústrias e da cidade como um todo, independente dos setores onde atuam.

No dia 28 de outubro, o presidente do SINDVEL se encontrou com Flávio Roscoe Nogueira, presidente da FIEMG e CREDIFIEMG e com a diretoria executiva do SICOOB CREDIFIEMG, Ricardo Salera de Carvalho, Diretor de Operações e Márcio Mikio – Diretor de Administração. Conforme acordado em reunião, a parceria SINDVEL e CREDIFIEMG está oferecendo às empresas associadas SINDVEL e que foram afetadas pela tempestade em Santa Rita do Sapucaí, uma linha de crédito de até R$ 50 mil reais, com prazo de até 36 meses e taxas a partir de 0,4% ao mês + CELIC, podendo variar segundo análise de crédito.

No dia 29 de outubro, acontece mais uma reunião em caráter emergencial com apoio do presidente da FIEMG, Flávio Roscoe Nogueira e do secretário Bilac Pinto, desta vez com o presidente do BDMG, Sérgio Gusmão Suchodolski, Vice-Presidente do BDMG, Henrique Amarante e Diretora Comercial, de Pessoas e Produtos do BDMG, Marcela Amorim Brant, para traçar as estratégias e estabelecer as linhas de créditos em condições especiais do banco BDMG para as empresas de Santa Rita do Sapucaí.

Denominado Programa de Apoio Subsidiado de Recuperação, o BDMG está oferecendo, em caráter emergencial, uma linha de crédito para empresas de até R$ 100 mil reais, com taxas de 0,7% ao mês, além de financiamentos em condições acessíveis para as micro e pequenas empresas do Vale da Eletrônica que tiveram suas instalações destruídas pela tempestade. Designado pelo presidente no mesmo dia da reunião, deslocou o Superintendente do banco, Rodrigo Teixeira Neves para Santa Rita do Sapucaí. Na manhã do dia 30 de outubro, o superintendente iniciou seus trabalhos com uma reunião no SINDVEL, visitou o gabiente do prefeito da cidade, realizando uma reunião com o diretor da ETE, Alexandre Loures Barbosa, e algumas visitas pontuais. No período da tarde, o superintendente fez atendimentos pontuais de 30 em 30 minutos até as 21h na sala de reunião do SINDVEL.

O presidente do SINDVEL também se reuniu com Marcelo Bomfim, Superintendente Estadual da Caixa Econômica Federal, onde, imediatamente, acionou o sistema de seguros da Caixa Econômica Federal que atende todos os financiamentos imobiliários de Santa Rita do Sapucaí para assistir, imediatamente os clientes afetados pela tempestade. Marcelo Bomfim acionou também o departamento social do banco para assistir as famílias desabrigadas. O presidente Roberto também se reuniu com Leonardo José dos Santos Guim, Superintendente Estaduais do Banco do Brasil, que facilitou o contato imediato com o diretor do Banco do Brasil em Brasília, Luiz Cláudio. A reunião resultou em um comunicado oficial emitido pelo Diretor do Banco do Brasil no Distrito Federal, Luiz Cláudio, ao presidente do SINDVEL, confirmando a posição do banco no sentido de oferecer aos empresários severamente afetados pela tempestade em Santa Rita do Sapucaí, um reperfilamento da dívida com o Banco do Brasil, em uma condição totalmente diferenciada. Para acessar o comunicado, acesse o site do SINDVEL (www.sindvel.com.br) e clique na aba ‘notícias’.

Uma outra reunião também foi realizada com a equipe do SEBRAE Minas, que garantiu o uso do Fundo de Aval aos empresários das micro e pequenas empresas afetadas do município, facilitando a liberação rápida de crédito. De modo geral, o Fundo de Aval funciona assim: o Sebrae presta serviços de garantias de crédito, por intermédio de instituições financeiras conveniadas. Com isso, o Sebrae se torna avalista de pequenos negócios via Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas (Fampe).

Para saber mais sobre as linhas de crédito oferecidas aos empresários que tiveram suas instalações danificadas pela tempestade, entre em contato com o SINDVEL pelo telefone (35) 3471 2055.