FIEMG se posiciona sobre decisão do Supremo Tribunal Federal (STF)

Por Agência de Notícias Fiemg

Por seis votos a três, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a cobrança passa a ser facultativa com a reforma trabalhista, que está em vigor desde novembro. 

Flávio Roscoe, presidente da FIEMG, se posicionou sobre o fim da contribuição sindical. “Fico feliz por que o supremo referendou a reforma trabalhista, pois ela é decisiva para a modernização das leis trabalhistas e para a potencialização do Brasil gerar empregos”, afirma.

Porém, o líder empresarial alerta que é necessário tomar ações que ratifiquem a segurança jurídica do país. “Precisamos ter segurança jurídica para que os investidores possam investir e gerar postos de trabalho”,  enfatiza. 

Roscoe afirmou que, em um primeiro momento, isso pode parecer negativo para os sindicatos, mas que é um passo importante para a reforma das relações de trabalho no Brasil. “Está na hora da sociedade organizada fazer escolhas que muitas vezes são difíceis para ela e, para termos um Brasil melhor, todos precisamos fazer sacrifícios. Os sindicatos patronais estão dispostos a fazer isso e aceitaram bem o desafio do fim da contribuição sindical”, finalizou.