Empresas do polo do Sul de MG terão laboratório – Aporte total chega a R$ 5 milhões

Em busca de maior competitividade, as empresas do Vale da Eletrônica, em Santa Rita do Sapucaí (Sul de Minas), contarão ainda neste ano com um laboratório de prototipagem edesign para o desenvolvimento de novos produtos. O empreendimento será viabilizado pelo Programa de Apoio à Competitividade dos Arranjos Produtivos Locais (APLs), que repassou R$ 5 milhões ao município.

O programa é financiado pelo governo do Estado, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Serviço Brasileiro de Apoio às Micros e Pequenas Empresas (Sebrae) e Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg). E é coordenado, no polo do Sul de Minas, pelo Sindicato das Indústrias de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares do Vale da Eletrônica (Sindvel).

De acordo com o Sindvel, do total disponibilizado, R$ 3 milhões serão utilizados na implantação do laboratório, que funcionará no prédio do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) de Santa Rita do Sapucaí. Somente nos primeiros 18 meses de operação, a meta é desenvolver 100 projetos envolvendo novos produtos.

O objetivo do laboratório, que contará com equipamentos de última geração, é alavancar o desenvolvimento das empresas da região, permitindo que elas tenham acesso facilitado, com uso diário e contínuo, à tecnologia de ponta, eliminando problemas de prazo e reduzindo os custos no desenvolvimento de produtos do Vale da Eletrônica.

“O laboratório vai eliminar um dos maiores gargalos de nossa produção, pois vai acelerar a inovação tecnológica no Vale da Eletrônica, colocando à disposição do empresário os mais modernos recursos para o desenvolvimento do seu protótipo”, afirma, por meio de nota, o presidente da entidade, Roberto de Souza Pinto.

Certificação – O restante dos recursos será utilizado no apoio para a certificação e homologação de produtos, na instalação de uma central de resíduos industriais, no apoio ao empreendedorismo e na assessoria para a regularização do licenciamento ambiental. Além disso, o sindicato está desenvolvendo programas de gestão da responsabilidade social e cooperação por uma cidade mais sustentável, cursos de capacitação empresarial, implantando o programa Produção Mais Limpa e promovendo palestras educativas em saúde, ações de segurança no trabalho e elaborando um plano de manejo para a cidade.

Somente no apoio para certificação e homologação de produtos, o Sindvel pretende atender 13 empresas até o fim do prazo do programa de fomento, no final do próximo ano. No programa de gestão de responsabilidade social, serão capacitadas 30 empresas até 2013.

As empresas do Vale da Eletrônica estão registrando crescimento significativo em 2012. Projeções do sindicato apontam para uma expansão de 23% no faturamento na comparação com o ano passado. Entre os fatores que estão impulsionando o setor está a substituição das importações por similares nacionais.

Um dos motivos que está levando o setor industrial a substituir os fornecedores é justamente a melhora na qualidade dos produtos fabricados no Sul de Minas. Conforme já havia afirmado o presidente da entidade, com a maior demanda, as empresas estão buscando a homologação de seus componentes nos órgãos competentes.

Além disso, a valorização do dólar frente ao real está inibindo as compras externas. Dessa forma, muitos importadores não estão conseguindo atender à demanda da indústria nacional.

O programa de apoio aos APLs conta com recursos de US$ 16,7 milhões. Deste total, US$ 10 milhões são provenientes do BID e o restante dos demais parceiros. São beneficiados sete arranjos produtivos no Estado.

Por  Rafael Tomaz – Diário do Comércio