Cidade Inteligente é uma realidade cada vez mais próxima

Sindvel traz oportunidades de parceria com Taiwan. 

As Cidades Inteligentes são uma realidade cada vez mais próxima. Seu conceito básico se define pelo uso da tecnologia para melhorar a infraestrutura urbana e tornar os centros urbanos mais eficientes e melhores de se viver.  Com o avanço da inovação e do desenvolvimento tecnológico, a probabilidade de que as cidades e seus moradores estejam cada vez mais conectados se torna uma constante.

Modelos de Cidades Inteligentes podem ser vistos em Songdo, na Coreia do Sul, que é referência em planejamento urbano, Copenhague, na Dinamarca, que reduziu o uso de combustíveis fósseis e Santa Ana, nos Estados Unidos, que tem um processo de reaproveitamento de água que a torna potável novamente.

“No Brasil, é preciso ter uma cultura de cidade inteligente. Este processo tem que começar no âmbito público, no sentido de melhorias para a saúde, educação, iluminação pública.”, afirma Teodomiro Diniz Camargos, presidente em exercício do Sistema da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG).

Ele recebeu na sede da FIEMG, no dia 26/06, juntamente com o presidente do Sindicato das Indústrias de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares do Vale da Eletrônica (Sindvel), Roberto de Souza Pinto, representantes do Taiwan Trade Center do Brasil (Taitra) – agência de Investimentos de Taiwan, a diretora Rachel Hsiu Ling Lu e o gerente Suen Sik Lung, que visitaram a instituição em busca de futuras parcerias com foco em desenvolvimento das Cidades Inteligentes.

Cerca de 70% das indústrias Taiwanesas são de tecnologia, e vêm nas empresas mineiras do mesmo setor um potencial de oportunidades de parcerias para o desenvolvimento de tecnologia e soluções para o projeto de Cidade Inteligente, já que o “Vale da Eletrônica” mineiro, em Santa Rita do Sapucaí, concentra um grande número de empresas de inovação tecnológica.

Roberto de Souza Pinto também acredita numa mudança de cultura para que a condição de Cidade Inteligente seja abraçada: “É preciso começar com os jovens nas escolas, pois eles são o público mais conectado”, acredita. “Em Taipei se compra tudo com o celular, desde uma blusa em uma loja até uma passagem de ônibus ou metrô. Os meninos não têm crachás nas escolas, eles usam o celular”, conta o vice-presidente da FIEMG.

Ele se refere à capital do Taiwan, que com 2.705 milhões de habitantes, passou por um processo de revitalização nos anos 70 e hoje é uma das cidades mais modernas e inteligentes do mundo.

A reunião
Os representantes da Taitra fizeram duas reuniões em Belo Horizonte no dia 26/06. A primeira aconteceu na sede do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) e contou com a presença de Carolina Marinho do Vale Duarte e Gláucia Anete Ferreira da Silva, respectivamente diretora e gerente de negócios do BDMG; Ricardo Ruiz e Carlos Romualdo, diretor vice-presidente e gerente de prospecção de negócios do Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais (INDI), Junia Cerceau, gerente de atração de negócios e investimentos da FIEMG e Roberto de Souza Pinto, presidente do Sindvel.

A segunda aconteceu na sede da FIEMG e teve a presença de Bruno Vieira, diretor de sistemas da Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte (Prodabel), Roberto de Souza Pinto, presidente do Sindvel e Thiago Neves, Patrícia Pretti e Felipe Abraão, membros da Secretaria de Desenvolvimento Econômico da Prefeitura de Belo Horizonte.

O intuito desses encontros é estabelecer parcerias e negócios entre as empresas de Minas Gerais com a Taitra.

Belo Horizonte – Cidade Inteligente
Além de ser uma metrópole e ter um perfil empreendedor, a cidade de Belo Horizonte possui o ambiente ideal para se tornar uma Cidade Inteligente, e já tem um projeto para implementação, elaborado pela Prodabel e Secretaria de Desenvolvimento Econômico:

“A cidade possui infraestrutura para receber e implementar as ações de smart cities. Temos um centro de operações em funcionamento para a segurança pública, com 1600 câmeras na cidade e 108 pessoas no monitoramento,” diz Bruno Vieira, da Prodabel.

Os participantes do encontro foram convidados para uma missão em Taiwan, onde irão conhecer o trabalho de cidade inteligente realizado no país e em especial na capital, Taipei.

Taiwan
Taiwan é um dos líderes mundiais na produção de tecnologias de informação e comunicação. O país ficou em 14º lugar (total de 138 economias) no Relatório de Competitividade Global 2016-2017 do Fórum Econômico Mundial (FEM).

O objetivo deste relatório é identificar os fatores que determinam crescimento econômico e desenvolvimento, além de tentar explicar os porquês que levam alguns países a serem mais bem sucedidos do que outros na ascensão dos níveis de renda.

Confira abaixo uma lista da Iniciativa das “Cinco-Mais-Duas” Indústrias Inovadoras de Taiwan*:

  1. Indústria Farmacêutica e Biotecnologias
  • Reforçar a investigação e desenvolvimento de empresas no Parque Informático Nagang de Taipei, Parque de Ciências Biomédicas Hsinchu, Parque de Ciências de Taiwan Central e Parque de Ciências Taiwan Sul, todos ligados pelo sistema de comboio de alta velocidade.
  • Fazer uso do domínio que Taiwan tem das estruturas genéticas, estilos de vida e ambiente de vida na Ásia Oriental, para impulsionar a sua posição nas cadeias de valor biomédicas no mundo.
  • Melhorar os esforços cooperativos com os três maiores centros biomédicos de Boston, San Diego e da Baía de São Francisco, bem como com países Europeus como a Bélgica, os Países Baixos, Suécia e Suíça.
  1. Indústria de Maquinaria Inteligente
  • Dar impulso ao desenvolvimento das indústrias de máquinas inteligentes e máquinas-ferramentas na zona da Cidade de Taichung, oferecendo assistência em áreas como o recrutamento de talentos, investigação e desenvolvimento, aquisição de terrenos e marketing.
  • Estimular a inovação, para que os setores como a aviação, submarinos, medicina de precisão e Internet das Coisas possa beneficiar dos avanços tecnológicos de máquinas inteligentes.
  1. Indústrias das Tecnologias Verdes
  • Construir um parque tecnológico de energia sustentável na área Shalun da Cidade de Tainan
  • Facilitar a poupança de energia através da coordenação com fornecedores de equipamento, negócios de TIC e fornecedores de energia.
  • Promover a produção de eletricidade a partir de uma larga variedade de fontes renováveis, incluindo a solar, eólica, geotérmica, biofuel, de ondas e de marés.
  • Fomentar o armazenamento de energia eficiente através da promoção, junto das empresas locais, de uso de baterias de lítio, células combustível e energia do hidrogênio.
  • Apoiar a promoção de negócios locais especializados na integração de sistemas de energias verdes.
  1. Indústria de Defesa Nacional
  • Proporcionar apoio ao cluster da indústria de segurança da informação em Taipei, a norte de Taiwan, a indústria de aviação em Taichung, no centro de Taiwan, e a indústria de construção naval em Kaohsiung, a sul de Taiwan.
  • Realizar aquisições relacionadas com a defesa, que tenham benefícios sociais e econômicos, em áreas como o emprego, inovação tecnológica e desenvolvimento de negócios locais.
  • Promover tecnologias relacionadas com a defesa, com aplicação nos setores militar e civil
  1. Sillicon Valley Asiático
  • Desenvolver a cidade de Taoyuan como um pólo de desenvolvimento e investigação de tecnologias inteligentes.
  • Fomentar o crescimento de empresas envolvidas na produção de tecnologias para a Internet das Coisas
  • Construir um centro de intercâmbio de talentos na área de inovação e investigação, perto do Aeroporto Internacional de Taoyuang, que manterá ligações estreitas com as instalações idênticas do Silicon Valley.
  1. Nova Agricultura
  • Proteger os agricultores, fomentar o desenvolvimento agrícola e assegurar a sustentabilidade ambiental.
  • Salvaguardar a segurança e a qualidade dos produtos e construir um sistema de certificação fiável, consistente com as normas internacionais.
  • Tornar a indústria rentável e sustentável, diversificar os canais de vendas domésticas e externas e aumentar o valor acrescentado das indústrias agrícolas.
  1. Economia Circular
  • Permitir a circulação e reutilização de energia, melhorando a eficiência dos recursos, reduzindo a emissão de carbono e assegurando que a energia dos resíduos e os materiais de uma unidade fabril se transforme em novos recursos para uma unidade vizinha.
  • Assegurar que os novos parques industriais sejam projetados de acordo com o conceito de economia circular.

* Informações retiradas do livro “Taiwan: Um olhar sobre a República da China”, publicado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros, República da China (Taiwan).

Fonte: ASCOM Fiemg e ASCOM Sindvel