Projeto PS Eletroeletrônicos, APEX Brasil e Sindvel participam do Brasil Tecnológico, na Colômbia

Evento, que espera movimentar US$ 30 milhões, contará com rodadas de negócios e seminários técnicos entre empresas brasileiras e colombianas; entre os principais produtos e lançamentos apresentados pelas companhias do Vale nas áreas de Automação, Segurança, Energia, Telecomunicação e Radiodifusão, está o Equipamento para o Gerenciamento de Energia Elétrica, que visa à economia no consumo da indústria.

O Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) promovem, nos dias 22 e 23 de julho, em Bogotá, Colômbia, a quinta edição do Brasil Tecnológico, importante evento de tecnologia, que também já foi realizado na África do Sul, Peru e Rússia. Serão 50 empresas brasileiras de nove setores diferentes – tecnologia de informação, telecomunicações, eletroeletrônico, embalagens, médico-odontológico, fármacos e químicos, máquinas e equipamentos, defesa e sucroalcooleiro – que buscam firmar novas parcerias e fechar contratos com companhias colombianas, com uma expectativa de gerar negócios na ordem de US$ 30 milhões. Entre as companhias participantes, seis são do Vale da Eletrônica, um dos maiores polos de tecnologia do país, instalado em Santa Rita do Sapucaí, no Sul de Minas Gerais, que apresentarão lançamentos em diferentes áreas. As marcas que estarão presentes no Brasil Tecnológico são Alarmes Santa Rita, CCK, Hitachi, Intelbras, JFL e Leucotron.

Para o presidente do Sindicato das Indústrias de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares do Vale da Eletrônica (SINDVEL), Roberto de Souza Pinto, a participação das empresas do Projeto Setorial Eletroeletrônicos Brasil (PS Eletroeletrônicos Brasil) no evento na Colômbia é muito importante, em função da posição estratégica que o país vem assumindo no cenário sul-americano e mundial. “A Colômbia tem se projetado como um importante parceiro comercial do Brasil, sendo um mercado prioritário do Plano Nacional de Exportações, lançado em junho pelo MDIC. Além disso, há a perspectiva de progressão do Produto Interno Bruto (PIB), que está bem acima da média global esperada para América Latina, já que, somente no primeiro trimestre desse ano, o país registrou alta de 2,8% na soma de todos os bens e serviços produzidos”, explica Roberto. De acordo com a Apex-Brasil 38 setores que realizam projetos de promoção comercial com a agência têm o país colombiano como mercado alvo.

A abertura oficial do encontro foi feita pelo ministro Armando Monteiro (MDIC) e pelo presidente da Apex-Brasil, David Barioni. As manhãs dos dois dias serão reservadas à apresentação de seminários aos empresários de ambos os países e demais presentes: no primeiro dia, as entidades parceiras da Apex-Brasil falarão sobre tecnologias específicas das áreas de bioenergia, saúde, agronegócio e maquinário. No segundo dia, é a vez de empresas que se internacionalizaram para a Colômbia contarem suas experiências e as principais oportunidades existentes no país.

As tardes das duas datas oferecerão rodadas de negócios, organizadas previamente para definir quais empresas colombianas estão mais propícias a se interessar pelo produto ou serviço de cada companhia brasileira e vice-versa. O foco não é apenas vender, mas estabelecer parcerias duradouras. “O Brasil Tecnológico é um projeto voltado para o posicionamento do país e para a promoção comercial conjunta de setores produtivos brasileiros que têm a alta tecnologia como diferencial. O evento vai mostrar que o Brasil possui tecnologias inovadoras e sustentáveis, com qualidade técnica comprovada”, afirma o presidente da Apex-Brasil, David Barioni.

Produtos e lançamentos

Referência no desenvolvimento de equipamentos para segurança, a Alarmes Santa Rita, companhia instalada em Santa Rita do Sapucaí, levará para o Brasil Tecnológico 2015 diversos produtos, sendo dois lançamentos: a Central de alarme predial e residencial miniaturizada e o Rastreador de veículos e cargas. A primeira solução é totalmente microcontrolada, com capacidade para até 400 sensores, sendo 200 sensores de portas e janelas e 200 sensores infravermelhos; a segunda é um dispositivo que monitora cargas e veículos de todos os tipos, em tempo real, e funciona apenas por meio de leitura biométrica e facial, evitando roubos de equipamentos, por exemplo, e facilitando a logística de transporte de mercadorias, carregamentos de valores, pessoas, entre outros. Ambos os equipamentos permitem o monitoramento por meio de dispositivos móveis, como tabletes e smartphones.

Também de olho no potencial de crescimento do mercado colombiano, a JFL, maior empresa de alarmes e cercas elétricas do Brasil, leva ao evento diversos lançamentos, entre eles o Vulcano 200, uma central de alarme de incêndio que pode ser utilizada em até 200 dispositivos. “Essa é a primeira cerca elétrica controlada por meio de um aplicativo, fornecido gratuitamente para o cliente, e que pode ser ligada e desligada via celular de qualquer parte do mundo”, explicou o diretor comercial da empresa, Fernando Barbosa Mota.

A Intelbras, que também possui uma fábrica no Vale da Eletrônica e já exporta para a Colômbia itens comotelefones e centrais telefônicas, de alarme e condominiais, também pretende começar a comercializarnetworkings e controles de acesso. Já a Hitachi marcará presença no evento com o padrão brasileiro de conversor de TV Digital, o ISDB-T. O modelo é um dos mais avançados do mundo e o segundo mais utilizado no planeta, estando presente em 16 países e atingindo 562 milhões de pessoas.

 

Gestão eficiente de energia

A CCK Automação é outra companhia que levará lançamentos ao Brasil Tecnológico 2015, como o Equipamento para o Gerenciamento de Energia Elétrica, ferramenta de gestão que garante até 10% de economia de energia às empresa. Voltado para ambientes industriais, o equipamento possui três funções: acompanhamento do consumo de kilowatts junto ao medidor, reconhecimento setorial da energia gasta em todas as áreas e análise da qualidade do recurso disponibilizado pelas concessionárias. No evento da Colômbia, a CCK pretende estabelecer parceiros comerciais no país, que, apesar de apresentar um crescimento econômico significativo, ainda tem o alto custo da energia contratada como um dos principais dificultadores para alavancar ainda mais o seu desenvolvimento e projeção no cenário internacional.